Quem sou eu

Minha foto
Um Poeta amador, puro e simplesmente. Ainda vivo essa transitoriedade, Onde o acaso ocasional é casual! Uma saciedade desprovida de alívio, Pois o necessário é pura ilusão. Assim como o mero ávido e vazio, Despretensioso de uma concepção única. Vivido no princípio de uma tristeza alheia, Uma energia sem força e direção! (Julio Maciel)

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Poesia - Um corpo de Mulher


Um Corpo de Mulher

Sonho com sua pele exalante de perfume e sedução,
Uma displicente pretensiosidade como a malícia da insinuação!
Seus seios com formatos de frutas leves, suculentas e firmes,
Que flutuam livremente, porém contidos e provocantes,
São quase suicidas!
Assim como sua imponência exacerbada,
Caracterizada por um sorriso cativante e malicioso!
Vejo olhos intensos, penetrantes, raros e sutis,
Uma explosão de cores hipnóticas!
Sonho com sua boca, com seus lábios de lírios suaves e delicados,
Com toda essa libido arrebatadora...
Com seus cabelos ora lisos, outras ondulantes bailando ao vento,
Coreografando uma sensualidade teatral...
Com sua barriguinha, dona de micro pelos provocantes, que só percebemos
Ao derramar beijos breves e preliminares...
Sinto suas coxas firmes, cilindricamente entrelaçantes, fortes e envolventes
Arrocharem minha emoção...
Vejo seus glúteos como uma paisagem de beleza selvagem...
Virilhas, joelhos e pernas com batatas desenhadamente lindas,
Sinto minha imaginação refém desse prazer!
Um sonho, corpo de mulher, um único instinto, a libido...
Uma paixão!
(Julio Maciel)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário

Poesia -- Plantação de Indigentes --

Poesia -- Plantação de Indigentes --
Poesia -- Plantação de Indigentes -- Hoje o despertar cinza do Sol Revelou quase sem força Frente a meus olhos vermelhos Uma voz de vidro inconsciente e crua De uma lembrança de vida sem recordações Pintando Estrelas órfãs e decapitadas Pelo tempo livremente invisível Mas cheio de odores saculejantes A nossa hipocrisia de belas feições! Dizendo que nos dias simples Nossas orações descredulas e confusas Desfazem-se a primeira esquina libertina Revelando realidade indiscreta, sem força e direção, Regurgitando em nossas janelas quebradas, Pedras coloridas atiradas pela suplica da Esperança, Que agoniza sobre o solo quente e fértil Antes da anunciação da chuva que devasta Toda uma plantação de indigentes em comunhão! (Julio Maciel)